30.10.06

aflitos, mas não derrotados!

“Muitas vezes ficamos aflitos, mas não somos derrotados. Algumas vezes ficamos em dúvida, mas nunca ficamos desesperados.”    (2 Coríntios 4:8)  
   
    Meu avô paterno faleceu há alguns anos. Como não sou boa com datas, não me recordo agora o ano correto, só sei que foi no finalzinho do ano, na verdade na virada do ano. Ele foi o único avô que conheci, pois minha mãe perdeu o pai muito cedo.
    Era um avô com carinha de avô: cabelinhos brancos e olhinhos azuis. Ele sofrera derrames e sua saúde já era debilitada.
Nunca me esquecerei do dia do seu sepultamento.
   Cidade pequena, aquele interminável e doloroso caminhar com o caixão pelas ruas, (um passeio angustiante e demorado) e, fechando o cortejo, muitos carros aonde vão sentados os que não se aventuram na exaustiva caminhada.
Ruas e ruas se passaram até chegarmos à rua do cemitério, que tem um nome interessantíssimo: rua da Igualdade. 
   Sempre gostei deste nome pois mostra bem a realidade: em algum momento todos acabam tendo de passar por ela, não importa a cor da pele e a conta bancária!
    Sinceramente não sei se muitos notaram, talvez alguns, mas eu notei que a enorme quantidade de pessoas (pois vovô Cici era bem querido) que nos acompanhava estava triste, porém envolta na tranqüilidade daqueles que servem ao Senhor.
    Quando chegamos perto do túmulo, titio falou um pouco e oramos agradecendo ao Senhor pela vida do vovô.           
    No lado oposto do cemitério, um tanto afastados de nós, um pequeno grupo também fizera a mesma caminhada, com um parente morto e estava, como nós, a poucos minutos de enterrá-lo. Só que, bem diferente de nosso grupo, todos estavam absolutamente desesperados – o pavor e o descontrole eram tremendos...
   Quando saímos dali, voltei para casa triste, mas com uma tremenda certeza em meu coração: a certeza do destino eterno de vovô; e isto era um consolo enorme para mim e minha família!
 E, aquela outra família, com sua atitude de desespero me mostrou o quanto pode ser terrível enfrentar dificuldades sem ter Deus. Mais ainda: enfrentar a morte sem ter Deus!
   A dor veio para eles como veio para nós, mas, em Cristo e por Cristo nossa reação foi absolutamente diferente.
      E pode acreditar: é sempre assim que acontece...   
                  Beijos,
                          Alê

8 comentários:

Anônimo disse...

Um professor mostrou uma semente para os seus alunos e perguntou: "O que é que vocês estão vendo?". Um disse: "Eu vejo uma semente!". Outro disse: "Eu vejo um cereal!". Outro ainda arriscou: "Eu vejo um alimento!" Depois de muitas tentativas, o professor disse: "Eu vejo possibilidades!". É assim que você e Alberto vêm os nossos filhos, como grandes possibilidades de Deus.
Com amor
Pr. Neuber e Ruth Mara

Daniel disse...

mto bom o texto!
gostei mto do nome da rua... simples mas bastante expressivo!

bjos,
Daniel

necilda_s disse...

Simplesmente lindo seu texto. Faz a gente perceber um bocado de coisas, porque acho ainda não tenho essa fé, essa serenidade. Creio que ainda agiria como a outra família. Espero um dia conseguir atingir essa maturidade espiritual! Um abraço.

Bárbara disse...

Acho que voc6e já sabe o que eu penso com relaçào a confiar em Deus: eu não conseguiria viver sem isso. É bom saber que eu sou amada por ele do mesmo modo que o amo. Ou seja, muito.
Nos momentos mais dificeis não tem como se deixar derrotar, porque ele está com a gente.

Gostei muito do nome da rua. Foi nomeada por causa do cemiterio ou foi apenas coinhecidencia???

Uma coisa me deixa tristinha... saber que muitas pessoas de quem eu gosto nào tem a certeza da vida eterna =(

Te amo Alê =***

Ana Foguinho disse...

Rua da Igualdade?! Adorei! Me lembrou o lema do cadáver que tem lá na sala de anatomia: "eu já fui o que tu és, tu serás o que eu sou"! AAUIhiahuia

Esse versículo já está na minha lista de preferidos! Sempre penso na época em que morava em Manaus e em como eu ficava angustiada, desesperada pq estava distante de Deus! Aí vejo que hoje, com o Senhor mais presente na minha vida "o choro pode durar uma noite, mas a alegria vem pela manha" sempre! Os fardos ficam muito mais leves...
E pode deixar, eu acredito que é sempre assim que acontece! IHihuii ;]


Te amo muuuuito!!

liz correa disse...

meu pai é o máximo neh?!!!
ahUHAUhauhUHA

eii!!eu so uma possibilidadee!!
e que possibilidade ein?!1

ahuHAUhuahUHAUhauh

te amo minha liderr!!


..
*

HELO(GED) disse...

Espero ter esse mesmo consolo,quando aqueles q amo,se forem.Pois tenho orado a muito tempo pra q meus pais e irmã se encontrem com Jesus.Pois sim ,eu chorarei,mais com alegria no coração de q eles foram para junto do Pai."Afinal isso é o q importa".Beijosssss.

ana cabral disse...

Realmente enfrentar dificuldades sem Deus deve ser mt dificil...
Vivenciei isso agora...na verdade estou vivenciando..
tava mt assustada c proximidade do vest. e orei...e Deus me acalmou..
se eu n tivesse Ele, acho q taria tendo ataques de nervos agora!!!

foi bem legal,pq qnd eu comecei a ficar mt nervosa, eu li esse texto e li o versiculo q vc escreveu lá em cima..
amei esse versiculo...escrevi ele no meu fichario, pra sempre ficar lendo e lembrando q tenho q me acalmar...q Deus vai em acalmar!!!;)


amo vcs!
;****